Relacionalidade no Direito: qual o espaço para a fraternidade?

Congresso Internacional - Castel Gandolfo (Roma)

18-20 de novembro de 2005

A sociedade contemporânea registra enormes dificuldades em reconhecer e apoiar o relacionamento interpessoal como sua pedra angular. O indivíduo é o protagonista absoluto. O direito é usado como uma ferramenta para resolver conflitos de liberdade entre indivíduos considerados de forma isolada e muitas vezes em oposição. Mas é essa a sua finalidade?

A experiência de muitos profissionais no âmbito do direito e da justiça, colocados, a cada dia, em contato com as fraturas da vida de relação, revela a inadequação dos sistemas jurídicos - não só da Europa - para lidar com esta emergência.

Os princípios de liberdade e igualdade, traduzidos em termos jurídicos, reforçaram os direitos individuais, mas não são suficientes para garantir relações estáveis entre pessoas e entre comunidades: ficou faltando a Fraternidade, que se manteve alheia ao Direito e a muitas outras dimensões da existência humana.

O Congresso trouxe este desafio: buscar comportamentos voltados para a fraternidade já existentes no mundo e traduzi-los em critérios de qualificação jurídica.O objetivo do Congresso, traduzir em critérios de qualificação jurídica os comportamentos voltados para a fraternidade, foi desenvolvido em dois percursos paralelos, um teórico e outro prático. Os temas para reflexão sobre o ordenamento positivo vigente, a fim de compreender a luz e as sombras e lê-lo com a chave da fraternidade, precederam a apresentação de iniciativas já em andamento em várias áreas da vida jurídica.

Enquanto as discussões introduziram as possíveis aberturas para a prática da fraternidade na condução das relações jurídicas, as evidências mostraram o início, de fato, de um direito da fraternidade.

Três foram as sessões desenvolvidas seguindo este caminho: direito público (nacional e internacional), direito privado e direito penal, com palestrantes da Europa, América, África e Ásia trabalhando em diversas frentes do Direito. Ilustres intervenções - como a do presidente da Associação Italiana de Magistrados, Doutor Ciro Riviezzo - demonstraram o alto nível cultural do evento que envolveu mais de setecentas de pessoas durante três dias.

Share this post

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Este site utiliza cookies, também de terceiros, para oferecer maiores vantagens de navegação. Fechando este banner você concorda com as nossas condições para o uso dos cookies.